• Daniel Costa

Mulheres estão abrindo negócios próprios mais jovens

Uma pesquisa inédita do Aladas e Sebrae aponta que as mulheres mais jovens estão abraçando o mundo dos negócios.

De acordo com o levantamento, divulgado pela Agência de notícias do Sebrae, foi feito com mais de 1,1 mil mulheres e que tem como objetivo explorar o dia a dia e os desafios das mulheres ao empreenderem e gerirem seus negócios, neste ano 25% das mulheres que entraram no mundo do empreendedorismo se encaixam na faixa etária entre 18 e 30 anos. No início de 2020, esse porcentual foi de 14% e em 2019, de 6%.



“Isso demonstra que as mulheres estão empreendendo mais jovens, se sentindo preparadas e seguras mais cedo e perdendo um pouco do medo de errar e correr riscos. Empreender não é fácil, mas pode ser uma saída para a autonomia e liberdade. Quando a gente tem acesso à informação, ganha coragem de avançar no empreendedorismo”, afirma Thais Piffer, Gerente de Gestão Estratégica do Sebrae-SP.

Segundo dados Sebrae e da Pesquisa Global Entrepreneurship Monitor 2020 (GEM),

o Brasil é o sétimo país com o maior número de mulheres empreendedoras no mundo.

Dos 52 milhões de empreendedores no país, 24,96 milhões (48%) são mulheres.


Franquia é opção de menor risco

De acordo com dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), divulgados pelo Portal do Franchising, taxa de mortalidade de franquias, historicamente, gira em torno de 5% ao ano, bastante inferior a de negócios isolados que costumam ser de mais de 20%.


Embora o risco de negócio em franquias seja menor quando comparado às iniciativas independentes de abertura de negócios, o investidor sempre deve manter os pés no chão e manter-se organizado e atento ao desenvolvimento do seu negócio.


A simples entrada no sistema de franquias não é uma solução mágica. É preciso muito trabalho para manter o negócio sustentável e em bom funcionamento.


As franquias apresentam vantagens como:

Troca de experiências com quem já percorreu esse caminho e sabe como obter sucesso, acarretando menor risco;

Pagamento de royalties no sistema de franquias que permite acesso a produtos e serviços que custam em geral mais caro que se adquiridos individualmente;

Uma marca sólida e reconhecida no mercado que facilita a abertura de portas e melhor divulgação

Ainda que existam esses pontos positivos, é preciso conversar com outros franqueados para tirar dúvidas, preparar tempo para se dedicar ao negócio, especialmente em seu início, e fazer escolhas conscientes no intuito de minimizar o risco de negócio em franquias.

Se, porventura, for detectado algum risco de problemas, o franqueado tem a chance de buscar apoio e reverter o quadro e tornar seu negócio um sucesso.


“Mais uma vantagem para quem está em uma rede de franquias. Além disso, por força da marca, se a relação não deu certo, ambos têm interesse em repassar o negócio, garantindo a presença naquela localidade e reduzindo despesas decorrentes de fechamento de portas”, esclarece o consultor Cláudio Tieghi, da Kick Off Consultores.

Conheça a história da Graça, franqueada Paper Pão de sucesso

https://www.paperpao.com.br/post/case-de-sucesso-confira-a-entrevista-com-gra%C3%A7a-borges-franqueada-paper-p%C3%A3o-em-feira-de-santana


Microfranquia Paper Pão é alternativa de menor risco para mulheres.
Graça Borges, franqueada Paper Pão



25 visualizações0 comentário